3 Princípios da Análise de Companhias




O método de análise do valor das companhias, também conhecido como Valuation, é um processo indispensável para todos que investem em companhias abertas, e que fazem análise fundamentalista.


Existem várias metodologias fundamentalistas que podemos utiliza para determinar o valor de uma empresa. Pode-se utilizar o Fluxo de Caixa Descontado, considerar apenas o Patrimônio Líquido da empresa (valor contábil) ou podemos utilizar múltiplos de lucro líquido médio do setor ou de negócios semelhantes.


O mais comum, porém, é utilizar uma harmonização desses métodos e considerar, ainda, outros fatores para encontrar o valor intrínseco de uma empresa.


Por isso, neste artigo, você conhecerá os 3 princípios que norteiam a análise de companhias da Finacap Investimentos - gestora de fundos de investimentos especializada em ações desde 1997.


1. Capacidade de Geração de Caixa:


Projetamos o fluxo de caixa da empresa de forma conservadora, com o objetivo de entender o valor justo da companhia no presente. Em nossos modelos, consideramos fatores como: receita, margem de lucro, endividamento, investimentos etc.


Um sinal de que a companhia é uma boa opção de investimento é quando o seu valor justo está substancialmente acima do valor de mercado. Isso significa que ela está sendo negociada com desconto.


Neste caso a expectativa é que, com o tempo, o valor de mercado se aproxime do valor justo da companhia - à medida que o mercado vai confiando mais na companhia e acreditando em seu potencial. Desta forma conseguimos o que Benjamin Graham chamou de “comprar um real por 50 centavos” (em tradução livre).


2. Modelo de Negócio:


Quando analisamos o valor de uma companhia, precisamos entender com profundidade a estratégia dela dentro do setor e até mesmo os novos setores que ela pretende explorar.


Isso significa que estudamos as vantagens e desvantagens competitivas da companhia, bem como a forma de entrega de valor para os clientes, fornecedores, funcionários, sociedade, acionistas etc.


Esse conhecimento nos fornece uma perspectiva de futuro da operação da companhia – algo imprescindível quando investimos no seu valor intrínseco de longo prazo.


3. Governança Corporativa:


Qual a integridade moral dos gestores da companhia? Os resultados divulgados refletem a realidade vivida pela empresa? Existem processos internos para mitigar a chance de fraude?


As análises econômico financeiras e de negócio das empresas têm como base suas divulgações de resultados e comunicações. Mas pessoas com histórico de conflitos de interesses na equipe de gestão podem comprometer o futuro da companhia.


Por isso, pesquisamos sobre a equipe de gestão, conselhos e comitês da companhia, além do histórico de condutas e conflitos de interesses deles.


Conclusão


Investir em renda variável através de ações pode gerar bons retornos. Para isso, porém, será necessário muito estudo e dedicação para enxergar as companhias com uma visão autêntica, de longo prazo e bem fundamentada.


Você pode se empenhar e fazer isso por conta própria como investidor individual, ou pode escolher gestores de investimentos experientes para lhe guiar nesta jornada.


Conheça o Finacap Mauritsstad FIA, o fundo que investe até 100% em renda variável, com a visão da Finacap. Clique para saber mais.